CleopatraMoon

Um Mundo à parte onde me refugio e fico ......distante mas muito próxima.

A minha fotografia
Nome:
Localização: LISBOA, Portugal

Sou alguém que escreve por gostar de escrever. Quem escreve não pode censurar o que cria e não pode pensar que alguém o fará. Mesmo que o pense não pode deixar que esse limite o condicione. Senão: Nada feito. Como dizia Alves Redol “ A diferença entre um escritor e um aprendiz, ou um medíocre, é que naquele nunca a paixão se faz retórica.” Sou alguém que gosta de descobrir e gosta de se descobrir. Apontamento: Gosto que pensem que sou parva. Na verdade não o sou. Faço de conta, até ao dia em que permito que percebam o quanto sou inteligente.

online

segunda-feira, outubro 29, 2007

Os filhos / Acto de contrição


Se me perguntassem:
- Por quem admites um dia dar a Vida?
- Por quem darias a Vida em troca de saber que com isso viveriam e seriam felizes?
- Por quem sacrificarias a tua própria Vida?
Eu responderia: - Pelos meus filhos.


Não suporto imaginar que os deixaria sofrer.
E, mesmo sabendo que deixaria de existir...saberia que eles podiam continuar o caminho,..viver.
Deus queira que nunca seja posta à prova.

Apeteceu-me escrever isto pronto.
Devo estar com sentimentos de culpa...
Que terei feito?
É que desde ontem, entrei em guerra com o meu filho....
É isso.
Fiz o meu exame de consciência e pensei:
Mas eu daria a Vida por ele se preciso fôsse.
-
Amen.

ACCB

Etiquetas:

10 Comentários:

Blogger JM Coutinho Ribeiro disse...

é precisamente assim :-)

29 outubro, 2007  
Blogger LUA DE LOBOS disse...

pois como te entendo... é sempre assim... guerrinhas e depois amor incondicional... é a vida de Mãe!!!
xi
maria

29 outubro, 2007  
Blogger M@nza disse...

Isso está mau Cléo... mas não vale a pena entrares em guerra com ele.("fumem" o cachimbo da paz)
Eu também daria e dou se necessário for a vida pelos meus filhos, mas muitas vezes é necessário retirar-lhes o "casulo" com que os protejemos e deixá-los ver o que é a vida real, mantendo o perímetro de protecção passivo.
bjos

29 outubro, 2007  
Blogger Nani disse...

Cleo...

(Não era para escrever aqui... quem sou eu para puder comentar este post?!)

A minha posição é diferente dos que aqui escreveram... pois eu sou " a filha" que tem os seus objectivos, as suas escolhas e opções, e que (muitas vezes) entra em confito com os outros. É difícil algumas fases... mas creio que é "normal".

O amor está lá, sempre esteve. Igual ao que escreveste... de ambas as partes, mas por vezes segue o seu caminho em silêncio.

... Que tudo se resolva, pelo melhor...

Nani

29 outubro, 2007  
Blogger Rui disse...

Não pode ser guerra, que não se guerreia com alguém por quem se está disposto a dar tudo. É, antes, escaramuça.

Os domingos conseguem ser tramados.

29 outubro, 2007  
Blogger António Lisboa Gonçalves disse...

De vez em quando aparecem dias assim, de tempestade a que se segue esse sentimento, que só os Pais conhecem!
Isto de ser Pai e Mãe não é fácil, mesmo nada fácil!


bjs

29 outubro, 2007  
Blogger HarryHaller disse...

Só uma mãe ou um pai pode amar assim dessa forma. É um amor que não começa numa paixão,e que nunca se esgota, e que tem como uma sua caracteristica, a capacidade de ultrpassar todas as adversidades, mesmo a que tu confessaste.

Ah, mas um dia ainda espero ouvir da boca de uma mulher, era capaz de morrer pelo meu homem, eheheheh)

Tem um dia solar Imperatriz do Egipto.

Lobo das Estepes

30 outubro, 2007  
Blogger DarkMorgana disse...

Uma coisa não tem nada a ver com a outra!!!
Chô...sentimentos de culpa, de nada!
Beijinhos

30 outubro, 2007  
Blogger Cleopatra disse...

OLá Pessoal!!!
è...é mesmo assim JC e Maria.

Está mau está Manza. Nem imaginas quanto.
Ou imaginas?

Nani, não é muito grave porque o tipinho ainda não tem 16 ou 18 anos. Mas já começa a levantar cabelo.
E é um irresponsável adorável
Ufff que fúria!

É RUi. Tens razão. É mais uma escaramuça. Gostei de te ver por aqui!
Volta sempre que queiras.

É António LG- e doi tanto!!

Sabes Lobo das Estepes... quando os meus filhos nasceram era um paixão enorme. Nunca senti nada igual. Não há, ainda hoje, palavras para descrever ...Não há palavras.

SE era capaz de morrer pelo meu homem?...Não sei. Mas não suportaria vê-lo sofrer...Mas... antes do meu homem, estão indiscutivelmente os meus filhos.
Ele que me desculpe.

OI MORGANA!!
VIva! Alguém que me dê alento!!!
Chô!
Pois claro os tipinhos precisam de uns banões não é?
O AMOR impõe isso mesmo
BJ!

31 outubro, 2007  
Blogger Pecadormeconfesso disse...

Ao contrário de todos vós eu nunca quis ter filhos. Mas tenho. Felizmente que são quase adultos.

02 novembro, 2007  

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

Hiperligações para esta mensagem:

Criar uma hiperligação

<< Página inicial

__________