CleopatraMoon

Um Mundo à parte onde me refugio e fico ......distante mas muito próxima.

A minha fotografia
Nome:
Localização: LISBOA, Portugal

Sou alguém que escreve por gostar de escrever. Quem escreve não pode censurar o que cria e não pode pensar que alguém o fará. Mesmo que o pense não pode deixar que esse limite o condicione. Senão: Nada feito. Como dizia Alves Redol “ A diferença entre um escritor e um aprendiz, ou um medíocre, é que naquele nunca a paixão se faz retórica.” Sou alguém que gosta de descobrir e gosta de se descobrir. Apontamento: Gosto que pensem que sou parva. Na verdade não o sou. Faço de conta, até ao dia em que permito que percebam o quanto sou inteligente.

online

quinta-feira, outubro 11, 2007

A propósito do mote : Medo , alguém mais quer escrever sobre isso?



Tenho o olhar escondido nas mãos
que cheiram a ilhas desertas de ti.
...
As aves traçam rumos de ida
e a tua voz vai com elas.
E tu segues a tua voz.
...
Tenho medo que não regresses do invisível.
Tenho medo de (te) pensar
«à velocidade da minha solidão.»
...
Ni*






Há no tempo e no espaço
Um adivinhar de desgraça
Tudo o que foi dilui-se no estar
O ser não sabe se é ou se fica

E uma tragédia desenha-se na memória que se projecta no futuro
Tenho medo que a Voz não oiça o olhar
E muito medo de que o olhar não olhe mais os olhos da Voz

No silêncio que se vai estabelecendo
Porque a verdade não se diz
Fica a amargura
da incerteza do amanhã

E o Medo toma conta da Verdade.

-

ACCB

Etiquetas:

12 Comentários:

Blogger M@nza disse...

Medo

Quem dorme à noite comigo?
É meu segredo, é meu segredo!
Mas se insistirem lhes digo.
O medo mora comigo,
Mas só o medo, mas só o medo!

E cedo, porque me embala
Num vaivém de solidão,
É com silêncio que fala,
Com voz de móvel que estala
E nos perturba a razão.

Que farei quando, deitado,
Fitando o espaço vazio,
Grita no espaço fitado
Que está dormindo a meu lado,
Lázaro e frio?

Gritar? Quem pode salvar-me
Do que está dentro de mim?
Gostava até de matar-me.
Mas eu sei que ele há-de esperar-me
Ao pé da ponte do fim.

do poeta Reinaldo Ferreira
Bjinhos e bom fim-de-semana sem medos

11 outubro, 2007  
Blogger Rodolfo N disse...

Miedo al miedo de no saber vivir,
de perder las pequeñas cosas que adornan la vida
y saber que las cosas una vez se terminan...

Beijos, amiga

12 outubro, 2007  
Blogger Pecadormeconfesso disse...

Não quero escrever sobre o medo.
Tenho medo de olhar através dos teus olhos e ver a minha alma.
Não quero escrever sobre o medo.Tenho medo que no teu joelho não haja mais a marca do beijo e no teu cotovelo ainda haja uma ferida.
Tenho um buraco no peito feito de medo de ter medo.

12 outubro, 2007  
Blogger Cleopatra disse...

Hummm Já temos aqui medos.

Vou juntar um que deixei em tempos no Dizpositivo

****
entrega as tuas mãos ao medo
e não viverás.
há um espaço de arbítrio- entre acaso, ética,
responsabilidade, dever -
uma fenda para a coragem.
a vida caminha pela terra
passos decididos
entre tudo e nada,
uma brevidade imperceptível
a roçar os nossos rostos.
nada restará
depois que as horas calarem.
entrega tua face ao medo
e não a verás viva.

Silvia chueire

13 outubro, 2007  
Blogger Cabral-Mendes disse...

Espero que para nosso bem, a Verdade nunca seja vencida pelo medo...

O amanhã é, de facto uma angustiosa incerteza...

14 outubro, 2007  
Blogger Cabral-Mendes disse...

Umas pequenas notas breves (que o tempo é escasso…) sobre o medo, visto de um certo prisma:

Diz o Financial Times que o medo é bom para os mercados…

Será bom para nós, almas inquietas? Creio bem que não…

O medo dá-nos as angústias mais variadas…retira-nos o discernimento…


Um dos maiores medo é perder o nosso amor, não é verdade? A vida é tão frágil… não é o amor que é frágil, mas sim a vida…


Num outro plano, Portugal não é um país de medrosos. Toda a nossa história o desmente. Atente-se na descoberta de novos mundos, veja-se, mais recentemente, a guerra do Ultramar: qualquer outro País, ao constatar que os guerrilheiros estavam armados pelas grandes potências da época – União Soviética, China, toda a Europa de Leste comunista – teria logo baixado os braços…

E que dizer da nossa diáspora? Portugal é um país de emigrantes aventureiros, sem medo do desconhecido.

Se assim não fosse, há muito que teria sido absorvido por Castela.

Mas, curiosamente, hoje em dia, com o aparecimento de um maior bem-estar material, parece que todos nós estamos reféns de um outro medo, ou de um novo medo: o medo de ficar sem nada, na miséria, sem casa e sem pão… o medo desta globalização, do novo mito da produtividade a todo o custo, a passagem do ser humano a mera expressão numérica…

Quanto mais a sociedade “progride” mais o medo se vai instalando em todos nós, indefesos e impotentes perante uma máquina cega e niveladora…

14 outubro, 2007  
Blogger Cleopatra disse...

Gostei do seu texto sobre o medo. E acho que merecia uma postagem
A globalização também me assusta.
Sabe? Acho que certas igualdades de oportunidades, criam oportunismos..
Bam, mas isso fica para outro texto.

14 outubro, 2007  
Blogger Teresa disse...

Que dizer sobre o medo,
esse fantasma que nos persegue e dasilnha,
esse pecado indesejado que nos assedia,
Que nos espreitas no escuro no silencio dos dias...
- fujo para a frnte, porque dele tenho Medo!

Jinhos

(...este desafio é um desalento!)

14 outubro, 2007  
Blogger Cabral-Mendes disse...

São as pseudo-igualdades que, vamos a ver, não existem: e para fingirmos que existem, criam-se esquemas paa as mesmas poderem ser atingidas, sabe-se lá como...

14 outubro, 2007  
Blogger Cabral-Mendes disse...

Olhe, há-de explorar esse tema das "igualdades", certamente um "trauma" inventado no pós 25 abril.

14 outubro, 2007  
Blogger Cleopatra disse...

Um trauma de quem não sabe ser diferente.
Um trauma de democratazinhos inseguros e que querem parecer muito bonzinhos
Um trauma de oportunistas.
sabe Cabral mendes, cada vez me convenço mais de que o livro do Friedman é um engano.
Se calhar como o nobel da Paz do Al gore.
Havemos de falar disso ou tratar isso.

15 outubro, 2007  
Blogger Ni disse...

«Tenho um buraco no peito feito de medo de ter medo.»
...

EXCELENTE!

15 outubro, 2007  

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

Hiperligações para esta mensagem:

Criar uma hiperligação

<< Página inicial

__________