CleopatraMoon

Um Mundo à parte onde me refugio e fico ......distante mas muito próxima.

A minha fotografia
Nome:
Localização: LISBOA, Portugal

Sou alguém que escreve por gostar de escrever. Quem escreve não pode censurar o que cria e não pode pensar que alguém o fará. Mesmo que o pense não pode deixar que esse limite o condicione. Senão: Nada feito. Como dizia Alves Redol “ A diferença entre um escritor e um aprendiz, ou um medíocre, é que naquele nunca a paixão se faz retórica.” Sou alguém que gosta de descobrir e gosta de se descobrir. Apontamento: Gosto que pensem que sou parva. Na verdade não o sou. Faço de conta, até ao dia em que permito que percebam o quanto sou inteligente.

online

quarta-feira, abril 23, 2008

E eu pergunto porquê?
Porque é que pais e professores foram deixando que isto acontecesse???
"Há anos que as nossas crianças não são educadas por pessoas.

Há anos que as nossas crianças são educadas por ecrãs.

E o vidro não cria empatia. A empatia só se cria se, diante dos nossos
olhos, tivermos outros olhos, se tivermos um rosto humano.

E por isso as nossas crianças crescem sem emoções, crescem frias por
dentro, sem um olhar para os outros que as rodeiam.

Durante anos, foram criadas na ilusão de que tudo lhes era permitido.

Durante anos, foram criadas na ilusão de que a vida era uma longa
avenida de prazer,


sem regras, sem leis, e que nada, absolutamente
nada, dava trabalho.

E durante anos os pais e os professores foram deixando que isto acontecesse. .................."
-
Por Alice Vieira, Escritora

In Jornal de Notícias, 30.3.2008
-

15 Comentários:

Blogger Maria Clarinda disse...

Alguém me enviou esta notícia por mail...e,não imaginas como concordo com a Alice Vieira...
Gostei que o tivesses postado!É um GRITO, é bom que ainda tenha eco.
Jinhos mil

23 abril, 2008  
Blogger M@nza disse...

"Pouco conhecimento faz que as criaturas se sintam orgulhosas. Muito conhecimento, que se sintam humildes. É assim que as espigas sem grãos erguem desdenhosamente a cabeça para o céu, enquanto que as cheias as baixam para a terra, sua mãe". Leonardo Da Vinci

23 abril, 2008  
Blogger Cleopatra disse...

Olá Maria Clarinda : Bem vinda!

23 abril, 2008  
Blogger Cleopatra disse...

Manza, nunca ouviste dizer que a ignorância é atrevida? Pois é isso que dizes com uma frase tão bem escolhida.

23 abril, 2008  
Blogger Cleopatra disse...

Mas olha que a pergunta está lá : Porque é que os pais e os professores deixaram que fosse assim tanto tempo?

23 abril, 2008  
Blogger Aran disse...

Creio que desconheciam as suas consequências reais!!!

jinhos

23 abril, 2008  
Blogger José Manuel Dias disse...

Uma abordagem que nos confronta...Bjs

23 abril, 2008  
Blogger Cleopatra disse...

É isso que eu pretendo. Confrontar-nos. Vamos lá ver porquê.

23 abril, 2008  
Blogger M@nza disse...

Eu não estou a ignorar cleo, mas é isso que os torna naquilo que hoje são. Não sabem sobreviver sem uma ajuda. A informação está ali à distância de um "click" e quando são confrontados com essa ausência tornam-se violentos. Não sabem viver sem essa tecnologia.
s pais são em parte culpados porque lhes dão "tudo", qdo podem claro (por mim falo) e outra parte os professores que não estão hoje em dia vocacionados para ensinar, mas apenas para despejar matéria(não digo todos, mas para aí 60% não estão vocacionados).
por isso não estou a ignorar Cléo. Peço desculpas se o meu comentário a levou a pensar assim.

23 abril, 2008  
Blogger Cleopatra disse...

Manza acho que não entendeste ou eu não entendei.
Por vezes acontece.

Ou estamos a dizer o mesmo de formas diferentes..Não sei. Estou tão cansada que já nem sei argumentar. :-)

24 abril, 2008  
Blogger Cabral-Mendes disse...

Esta cultura de irresponsabilidade e de laxismo "nasceu" depois de 1974; até lá, nas escolas estudava-se a sério; não havia "espaço" para "brincadeiras" inúteis...a responsabilidade sentia-se e era tremenda.

Quem dirigirá os destinos do nosso País, amanhã? Superficiais como o actual primeiro-ministro? Sem dúvida...

25 abril, 2008  
Blogger Apache disse...

Ao ler isto, só me apetece imitar a Dona Lurdes e desatar a falar de paradigmas :)

A geração que (hoje) tem menos de 20 anos, beneficiou das conquistas que Abril trouxe. Isto é, um pouco melhores condições de vida, acesso às novas tecnologias, melhores salários e sobretudo acesso ao crédito, que faz com que muitos vivam acima das suas possibilidades. Por isso, esta, é da geração do fácil. Os pais da maioria esfalfam-se a trabalhar, mas aparece-lhes o telemóvel, a roupinha de marca, o dinheiro para o cinema, a discoteca, etc. E eles não têm noção das dificuldades da vida. Habituaram-se a exigir o mesmo que é dado aos colegas e os pais, com medo da discriminação social, tudo fazem para lho dar, em vez de explicarem que muitas vezes as dificuldades na sua obtenção não justificam o benefício, que estes “bens” são conseguidos à custa de menos tempo para estarem juntos, para conversarem para trocarem experiências.
Sem a referência dos pais, os “miúdos” têm como referências, os colegas e o mundo virtual dos écrans.
Quanto à escola, antes de 74 fazia doutrinação pública, porque era controlada pelo regime, mas como era para poucos, exigia rigor e conhecimentos profundos; hoje, controlada (como a sociedade em geral) pelas grandes empresas, faz propaganda ao consumo, faz doutrinação política, económica e científica. Publicita o regime e as suas teorias económicas que garantem o “status quo” e vende, não o conhecimento científico, mas a propaganda da pseudo-ciência, que despeja informação não fundamentada nem provada, como se fossem verdades absolutas, disfarçando grãos de realidade num imenso oceano virtual.
Que fazem os pais e os professores? Dada a dificuldade de nadar contra a corrente, optam pelo mais fácil, deixam-se arrastar por ela.

26 abril, 2008  
Blogger Cleopatra disse...

Aos pais exige-se mais trabalho. mais dedicação. mais produtividade. maior número. Alguns professores são pais também e, como trabalham exogem-lhes números também
Os miúdos vivem entre a exig~encia que lhes é feita a eles e aos adultos que os rodeiam. Toda a gente exige. Ninguém dá. Eles são os únicos que não têm a quem dar porque toda agente está á sua volta a exigir mutuamente...


Não há tempo para formar Homens!!
Não há.

Estamos a criar monstros, crianças que serão adultos inadaptados não por serem honestos mas porque não têm capacidade de interagir.
EStamos a criar competidores perdidos na fúria de ter de ser o melhor não importa a que preço.
Partilhar? O que é isso?

28 abril, 2008  
Blogger Júlia Moura Lopes disse...

pois, j� tinha lido..

e n�o disse nada de novo, embora muito bem dito.

O texto � maior :-)

28 abril, 2008  
Blogger Pecadormeconfesso disse...

Num Estado que exige o máximo de produtividade e de qualidade profissional, o sentir fica pelas ruas da amargura.
Até as nossas crianças e adolescentes são obrigadas a mostrar que sabem crescer.

30 abril, 2008  

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

Hiperligações para esta mensagem:

Criar uma hiperligação

<< Página inicial

__________