CleopatraMoon

Um Mundo à parte onde me refugio e fico ......distante mas muito próxima.

A minha fotografia
Nome:
Localização: LISBOA, Portugal

Sou alguém que escreve por gostar de escrever. Quem escreve não pode censurar o que cria e não pode pensar que alguém o fará. Mesmo que o pense não pode deixar que esse limite o condicione. Senão: Nada feito. Como dizia Alves Redol “ A diferença entre um escritor e um aprendiz, ou um medíocre, é que naquele nunca a paixão se faz retórica.” Sou alguém que gosta de descobrir e gosta de se descobrir. Apontamento: Gosto que pensem que sou parva. Na verdade não o sou. Faço de conta, até ao dia em que permito que percebam o quanto sou inteligente.

online

sábado, janeiro 19, 2008


"O rapaz que escrevia poemas" ou... diria eu, o Poeta sem Poema.

"Não sabia bem como lhe acontecia.Dava por si de caneta em riste, papel branco desafiando-o a escrever a alma,..."
(...)

"Pelos dezasseis, dezassete anos, cadernos e cadernos de poemas escritos, palavra a palavra, sem espinhas."
(...)
"Por vezes, acontecia-lhe até o estranho facto de acordar a meio da noite, de poema escrito na cabeceira dos sonhos, que passava para o papel de uma vez só, de um só fôlego,..."

(...)
"Era uma coisa estranha, essa que o levava a escrever textos antes do tempo, nomeando sentimentos que só vinha a experimentar anos depois de os ter narrado."

(...)
"- Posso desculpar-me, convidando-a para tomar um café?- Claro que sim, anuiu.Fizeram-no durante anos seguidos, que nunca mais se afastaram um do outro.Viviam numa paixão transbordante de carinho e afecto e o escritor dedicava-lhe as melhores páginas que alguma vez escreveu, agora na sensação de que o tempo parara."

(...)
"...aquela deusa, responsável pela alegria de viver de João, pela sua constante inspiração nas letras e na vida.Certo dia, tomado por uma gripe aborrecida, daqueles que fazem tremer em pleno verão, João recolheu-se na cama aos mimos da sua amada, ..."

(...)
"A porta da rua fechou-se atrás de si ligeira, que apressada era a vontade de regressar a casa e envolver de cuidados o seu amado, feliz pela dádiva desse amor correspondido.João pressentiu o perigo num arrepio que não foi de gripe, um tudo nada antes ......
-
José Ilídio Torres

Etiquetas:

3 Comentários:

Blogger Pecadormeconfesso disse...

Excelente texto. Escrevesse eu assim e conquistaria o mundo.

20 janeiro, 2008  
Blogger jose ilidio torres disse...

Minha querida amiga, comento para te agradecer a forma gentil como me dedicas um espaço neste teu fantástico blog.
Este texto, este conto, é um dos meus favoritos e é marcadamente autobiográfico, embora se cruze nele o sonho e a imaginação do escritor.
Depois deste, que foi o último que escrevi para este 2º livro, iniciei a escrita do meu primeiro romance, dedicando-me a este projecto de corpo e alma.
Escrevo quase todos os dias e em três semanas escrevi 6 capítulos...
A escrita flui em mim de uma forma que me espanta a mim próprio, depois de 25 anos a brincar ás palavras.
Surgiu no momento certo, estou disso certo apesar de tudo.
Um grande beijo e muito obrigado pelo teu carinho.
José Ilídio Torres

21 janeiro, 2008  
Blogger Cleopatra disse...

Olá José, a tua escrita é uma delicia.
E o espaço torna-se fantástico pelas deliciosas pessoas que aqui Vêm escrever...ler,...comentar.
Obrigada.

21 janeiro, 2008  

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

Hiperligações para esta mensagem:

Criar uma hiperligação

<< Página inicial

__________