CleopatraMoon

Um Mundo à parte onde me refugio e fico ......distante mas muito próxima.

A minha fotografia
Nome:
Localização: LISBOA, Portugal

Sou alguém que escreve por gostar de escrever. Quem escreve não pode censurar o que cria e não pode pensar que alguém o fará. Mesmo que o pense não pode deixar que esse limite o condicione. Senão: Nada feito. Como dizia Alves Redol “ A diferença entre um escritor e um aprendiz, ou um medíocre, é que naquele nunca a paixão se faz retórica.” Sou alguém que gosta de descobrir e gosta de se descobrir. Apontamento: Gosto que pensem que sou parva. Na verdade não o sou. Faço de conta, até ao dia em que permito que percebam o quanto sou inteligente.

online

quinta-feira, dezembro 20, 2007

Mote:"talvez eu pudesse dizer-te, mas não aqui, onde o tempo corre depressa. No Alentejo, quem sabe?"

No Alentejo quem sabe.
Ali onde o silêncio se espraia na planície, tantas vezes gelada pela manhã.
Ali onde os pássaros não sabem contar o tempo, nem têm pressa de que chegue o agora , que passe o antes , ou que acabe o depois.
No Alentejo, no sítio onde a lua inunda os campos, os sons são mais autênticos e os Verões levam os homens ao suicídio.
No Alentejo não são necessárias paredes.
Todo o Alentejo é aberto.
Qualquer parede estragaria a paisagem, sufocaria o momento.
As lareiras no Inverno fecham as portas e a intimidade estende as mãos aos beijos das noites à volta do lume.
No Alentejo, os dias correm devagar... os sonhos são vermelhos ao sol posto e brancos transparentes pela manhã , depois de dormir o sono dos justos.
No Alentejo os olhares cruzam-se e sorriem...
Não há "ses" há certezas...
No Alentejo o tempo não existe.
E os sonhos tornam-se reais.
Do Alentejo não apetece partir...
-
ACCB

Etiquetas:

22 Comentários:

Blogger JM Coutinho Ribeiro disse...

Para partir, é preciso chegar. Antes.

20 dezembro, 2007  
Blogger HarryHaller disse...

O tempo está dentro de nós, os horários são-nos impostos de fora.

Boas festas com tempo.

Lobo das Estepes

20 dezembro, 2007  
Blogger Maria disse...

Excelente este teu texto sobre o Alentejo.
"Todo o Alentejo é aberto". Pois é. No meu nem há chaves...

Um abraço

20 dezembro, 2007  
Blogger MIMO-TE disse...

Também sinto isso tudo, no Alentejo....

Feliz Natal

mimos

20 dezembro, 2007  
Blogger Cabral-Mendes disse...

"As lareiras no Inverno fecham as portas e a intimidade estende as mãos aos beijos das noites à volta do lume..." belo... muito belo...

Acho que nós, homens e mulheres de hoje, temos ainda em nós a memória de tempos idos, em que os nossos antepassados se reuniam à volta do lume, num longo silêncio cheio de significados...

20 dezembro, 2007  
Blogger Elizabeth disse...

Boa Tarde. Não me conhece a mim, nem eu a si. Descobri já à algum tempo o seu blog através do blog do professor Júlio Machado Vaz. Adoro o professor Júlio Machado Vaz. Dentro do tempo que posso ter disponível leio sempre o que o Prof. escreve.
Agora o seu blog desde que o descobri é leitura obrigatória para mim. Porque?
Adoro o que escreve. Sente-se o que escreve. È uma senhora com S grande.
No dia que abri o seu blog, passei-me e digo bolas e agora.
Fiquei bastante triste. Estava a pensar ligar para o sindicato dos juízes, identificar-me e dizer que necessitava de falara com sigo.
Mas todos os dias continuavam a ir ao blog. Fiquei muito contente quando cliquei em Cleopatramoon e abriu.
Sou um ser muito simples. Moro em Castelo Branco e sou assistente social.
Gosto imenso do que escreve. Deve ser um ser muito inteligente e sensível e é por isso que a leio. Alem da informação que transmite no que escreve. Obrigada por voltar a tornar o seu blog acessível.
Boas Festas .
Chamo-me Elizabeth Santos Correia.
O meu mail é elizabethcorreia@sapo.pt

21 dezembro, 2007  
Blogger José Manuel Dias disse...

Votos de Bom Natal.

21 dezembro, 2007  
Blogger António Lisboa Gonçalves disse...

No "meu" Alentejo, quem sabe...
se poderia ser tudo mais simples, como simples são as pessoas, os semtimentos, o viver...
No "meu" Alentejo, quem sabe...
se te poderia ver a alma, sem véus, sem escudos, até ao infinito como ele se vê, apenas no "meu" Alentejo.


Feliz Natal Cleo!

21 dezembro, 2007  
Blogger Apache disse...

Uma visão romântica do Alentejo. Gosto de passear nele, no Verão, é, de facto, muito aberto, respira-se mais lenta e profundamente. É relaxante.
Mas de Inverno é muito frio. E o stress da cidade faz-me falta. Não conseguiria viver num lugar tão tranquilo.

22 dezembro, 2007  
Blogger LUA DE LOBOS disse...

texto belissimo
como gosto de te ler :)
xi
maria

22 dezembro, 2007  
Blogger Ni disse...

Que grande texto!
:)

Beijinho

22 dezembro, 2007  
Blogger Pecadormeconfesso disse...

Excelente texto. Curto e cheio de tanto.Cheirou-me a Alentejo. Às lareiras alentejanas e a esse frio de que falas, pela manhã.Escreves tão bem Cleo. Quem te deu o mote?

25 dezembro, 2007  
Blogger Cleopatra disse...

JC
Para Partir é preciso chegar. E quem disse que eu não cheguei já?

27 dezembro, 2007  
Blogger Cleopatra disse...

Harry Haller
É verdade. O tempo está dentro de nós. Por vezes escraviza-nos.
Eu detesto que me imponham seja o que for.
Volte e abra o seu blog novamente.

27 dezembro, 2007  
Blogger Cleopatra disse...

Maria
Lembro-me de quando era pequena e ía passar parte das f´+erias ao Alentejo.
Lembro-me do silêncio das tardes que tudo me deixava ouvir.
Lembro-me de entrar pela casa da minha avó paterna cmo um furacão a fugir à frente dos meus primos, sem qualquer barreira de campainha ou chave...
No Alentejo da avó também não havia chaves..Só as que procuravamos para encontrar tesouros. ;)

27 dezembro, 2007  
Blogger Cleopatra disse...

Olá Mimo-te
O Alentejo é um estado de reflexão permanente.

27 dezembro, 2007  
Blogger Cleopatra disse...

Cabral Mendes

Não seis e são tempos idos. Ficam na alma. Achoq ue fazem sempre parte do presente.
Mas era tão bom ...havia cadeiras de baloiço e mantinhas nos joelhos, histórias de fadas e bruxas que as sombras da parede tornavam reais. Por vezes faltava a Luz e era uma festa. os candeeiros de petróleo eram castiçais magníficos e a lareira enorme era excelente cenário para qualquer imaginação. Acender as velasd dos castiçais?! NÃO!!!!!
era tão giro assim...
E as lareiras estendiam as maõs cheias de ternura e os sonhos vinham com o sono e ficavam até de manhã.

27 dezembro, 2007  
Blogger Cleopatra disse...

Elizabeth
Também sou uma pessoa muito simples... Se o meu S de senhora é grande...não sei. Não sou a pessoa indicada para o ajuizar.
Fico conetente por gostar de vir espreitar a minha moon.
Para ligar para saber de mim não precisa recorrer ao sindicato 8 bah! nome triste!9 mas pode recorrer ao CSM.
Agora já nem precisa que deixou o seu mail. ;)

O professor JMV? Também gosto muito de lá ir. E vou com frequência.


Obrigada pela sua delicadeza .Fico contente por ter gostado de ver o blog aberto de novo.
Bjito Está convidada!
PS- As assistentes sociais são muitas vezes o nosso braço direito para decidir, os olhos de quem não pode ver tudo! ;)

27 dezembro, 2007  
Blogger Cleopatra disse...

Olá José Manuel
Obrigada pelso votos.Retribuo atrasados. Mas são votos na mesma

27 dezembro, 2007  
Blogger Cleopatra disse...

António LG
É verdade, no Alentejo a alma aflora aos olhos. Tudo é tão simples...tudo é tão silencioso, tudo é tão olhar...olhar... ouvir...até a alma ..para os mais atentos.

27 dezembro, 2007  
Blogger Cleopatra disse...

Apache...Vexa habituado a paisagens semelhantes,,... não era capaz de lá viver? Hummm não acredito.
Umas férias... experimente só umas férias..

27 dezembro, 2007  
Blogger Cleopatra disse...

Obrigada Maria.

Olá Ni- o texto é tão pequenino!

Olá pecador?
O mote? Foi o JC

27 dezembro, 2007  

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

Hiperligações para esta mensagem:

Criar uma hiperligação

<< Página inicial

__________